O Ministério de Música de Asafe, Um Modelo Para os Nossos Dias?


Segundo a Bíblia, Asafe, o filho de Berequias foi um proeminente músico de sua época e era também um levita consagrado a este ministério!

            Temos informação de que :

  • Asafe era regente, (1 Crônicas 6:39  Asafe, o regente do segundo coro, era filho de Berequias, e Berequias era filho de Siméia;)
  • Tocava pratos de metal. 1 Crônicas 15:17- Dos grupos de famílias de cantores eles escolheram para tocar pratos de metal os seguintes homens: Hemã, filho de Joel; o seu parente Asafe, filho de Berequias; e Etã, filho de Cuchaías, que era do grupo de famílias de Merari. Escolheram os levitas Zacarias, Jaaziel, Semiramote, Jeiel, Uni, Eliabe, Maaséias e Benaías para ajudá-los; eles tocavam as harpas, que alcançavam notas altas. Para tocarem as liras, que alcançavam notas baixas, escolheram os seguintes levitas: Matitias, Elifeleu, Micnéias, Azazias e os guardas do Templo, Obede-Edom e Jeiel.
  • Cantor. 1 Crônicas 15:19  Assim, os cantores Hemã, Asafe e Etã se faziam ouvir com címbalos de bronze;
  • Foi escolhido entre os levitas que ministrariam louvores a Deus, sendo Asafe o chefe. 1 Crônicas 16:4  Designou dentre os levitas os que haviam de ministrar diante da arca do SENHOR, e celebrar, e louvar, e exaltar o SENHOR, Deus de Israel, a saber, 5  Asafe, o chefe, Zacarias, o segundo, e depois Jeiel, Semiramote, Jeiel, Matitias, Eliabe, Benaia, Obede-Edom e Jeiel, com alaúdes e harpas; e Asafe fazia ressoar os címbalos. 5  Asafe foi nomeado o chefe deles, e Zacarias, o seu ajudante. Para tocarem lira, foram nomeados: Jeiel, Semiramote, Jeiel, Matitias, Eliabe, Benaías, Obede-Edom e Jeiel. Para tocar pratos, foi nomeado Asafe,
  • O Ministério músico dos levitas foi instituído por Davi. 1 Crônicas 16:7  Foi nesse dia que Davi deu pela primeira vez a Asafe e aos seus colegas levitas a responsabilidade de cantarem louvores a Deus, o SENHOR.
  • Era um ministério permanente! 1 Crônicas 16:37 O rei Davi pôs Asafe e os seus colegas levitas como encarregados permanentes da adoração que era feita no lugar onde a arca da aliança havia sido colocada. Eles deviam cumprir ali os seus deveres todos os dias.
  • Os membros do coro foram escolhidos pelo Rei e pelos líderes dos levitas com a missão de anunciar as mensagens de Deus! 1 Crônicas 25:1 O rei Davi e os líderes dos levitas escolheram os seguintes grupos de famílias de levitas para dirigirem os cultos de adoração: Asafe, Hemã e Jedutum. Eles deviam anunciar as mensagens de Deus, acompanhados por música de harpas, liras e pratos. Esta é a lista dos homens escolhidos para este serviço: 2  Os quatro filhos de Asafe: Zacur, José, Netanias e Asarela. Quem os dirigia era Asafe, que anunciava as mensagens de Deus quando o rei mandava.
  • Segundo o texto anterior(I Crôn.25:1), as mensagens de Deus eram dadas ao som das harpas, liras e pratos.
  • Todos os filhos de Asafe cantavam nos serviços religiosos do templo. (1 Crônicas 25:6  Todos os seus filhos cantavam nos serviços religiosos do Templo, tocando pratos, liras e harpas. Quem os dirigia era o pai. Asafe, Jedutum e Hemã estavam debaixo das ordens do rei.)
  • Os levitas seguiam um “escala de música” para o serviço de cântico do templo. 1 Crônicas 25:9 (9-31) Esses duzentos e oitenta e oito homens foram divididos de acordo com as suas famílias em vinte e quatro grupos de doze, cada grupo com um chefe. Esta é a ordem dos seus turnos de serviço: (1) José, da família de Asafe; (2) Gedalias; (3) Zacur; (4) Zeri; (5) Netanias; (6) Buquias; (7) Jesarela; (8) Jesaías; (9) Matanias; (10) Simei; (11) Uziel; (12) Hasabias; (13) Sebuel; (14) Matitias; (15) Jerimote; (16) Hananias; (17) Josbecasa; (18) Hanani; (19) Maloti; (20) Eliata; (21) Hotir; (22) Gidalti; (23) Maaziote; (24) Romanti-Ézer.
  • Da família de Asafe haviam os que serviam como guardas do templo. 1 Crônicas 26:1 Segue a lista dos levitas que foram escalados para trabalhar como guardas do Templo: Meselemias, filho de Coré, da família de Asafe e do grupo de famílias de Corá.
  • Além das roupas especiais para cantarem, haviam os sacerdotes que tocavam trombetas. 2 Crônicas 5:12 E todos os levitas que eram músicos, isto é, Asafe, Hemã e Jedutum, e os membros dos seus grupos de famílias estavam de pé no lado leste do altar, vestidos de roupas de linho e com pratos musicais, harpas e liras nas mãos. Junto com eles estavam cento e vinte sacerdotes que sabiam tocar trombetas.
  • Foi um descendente de Asafe que encorajou Josafá e ajudou o povo de Deus a ganhar uma batalha com música. 2 Crônicas 20:14 De repente, o Espírito de Deus desceu sobre um levita que estava ali no meio do povo. Chamava-se Jaaziel e era descendente de Asafe. Jaaziel era filho de Zacarias, neto de Benaías, bisneto de Jeiel e trineto de Matanias.(II Crônicas 20:14-30)
  • No reinado de Ezequias, o ministério da música foi resgatado pelo rei, para que novamente o nome de Deus fosse invocado em Seu templo com os cânticos compostos por Asefe e por Davi. .2 Crônicas 29: 4-30. V.12 Estavam ali os seguintes levitas: do grupo de Coate: Maate, filho de Amasai, e Joel, filho de Azarias; do grupo de Merari: Quis, filho de Abdi, e Azarias, filho de Jealelel; do grupo de Gérson: Joá, filho de Zima, e Éden, filho de Joá; do grupo de Elisafã: Sinri e Jeuel; do grupo de Asafe: Zacarias e Matanias; do grupo de Hemã: Jeuel e Simei; do grupo de Jedutum: Semaías e Uziel.  2 Crônicas 29:30 30  O rei e as altas autoridades disseram aos levitas que cantassem ao SENHOR os cânticos compostos por Davi e pelo profeta Asafe. Cantaram cheios de alegria e depois se ajoelharam e adoraram a Deus.
  • Quando o Rei Josias buscou ao Senhor, ele procurou também reinstituir o serviço sagrado (inclusive o dos levitas cantores) 2 Crônicas 35:7-18. V.15  Os cantores do grupo de Asafe estavam nos seus lugares, de acordo com as ordens do rei Davi e de Asafe, de Hemã e de Jedutum, o profeta do rei. Os guardas também estavam nos seus lugares guardando os portões do Templo. Nenhum deles precisou abandonar o seu posto, pois os seus colegas, os outros levitas, prepararam a parte dos sacrifícios que era deles.
  • Após o cativeiro babilônico, quando Esdras e Neemias descrevem a reconstrução de Jerusalém eles indicam que o ministério da música foi restabelecido no templo. Esdras 2:40  (40-42) Esta é a lista dos grupos de famílias de levitas que voltaram do cativeiro: Levitas descendentes de Jesua e Cadmiel, que eram descendentes de Hodavias: setenta e quatro. Músicos descendentes de Asafe: cento e vinte e oito. Porteiros descendentes de Salum, de Ater, de Talmom, de Acube, de Hatita e de Sobai: ao todo, cento e trinta e nove. Esdras 3:10 Quando os construtores colocaram os alicerces do Templo, os sacerdotes ficaram de pé, vestidos com roupas especiais para aquela ocasião e com trombetas nas mãos. Os levitas descendentes de Asafe carregavam pratos musicais para louvar a Deus, o SENHOR, de acordo com o que Davi, rei de Israel, havia mandado. Neemias 11:22 O chefe dos levitas que moravam em Jerusalém era Uzi, filho de Bani e neto de Hasabias. Os seus antepassados foram Matanias e Mica. Ele pertencia ao grupo de famílias de Asafe, que era o grupo responsável pela música nos serviços do Templo.Neemias 12:33 Os seguintes sacerdotes, tocando trombetas, marchavam em seguida: Azarias, Esdras, Mesulã, Judá, Benjamim, Semaías e Jeremias. Depois vinha Zacarias, filho de Jônatas e neto de Semaías. (Seus outros antepassados foram Matanias, Micaías e Zacur, do grupo de famílias de Asafe.)
  • A restauração do serviço e do ministério dos levitas músicos se relaciona à epoca em que os mesmos foram estabelecidos. Neemias 12:46 46  Desde a época do rei Davi e de Asafe, o músico, muito tempo atrás, os músicos haviam dirigido os hinos de louvor e de agradecimento a Deus
  • Asafe compôs alguns salmos: Salmos 50:1<Salmo de Asafe.> Deus, o SENHOR Deus, fala e chama todos os moradores do mundo, de um lado da terra ao outro. Salmos 73:1 <Salmo de Asafe.> Na verdade, Deus é bom para o povo de Israel, ele é bom para aqueles que têm um coração puro. Salmos 74:1  <Poesia de Asafe.> Ó Deus, por que nos abandonaste para sempre? Por que estás irado com as ovelhas do teu rebanho? Salmos 75:1  <Salmo de Asafe. Canção. Ao regente do coro-com a melodia de “Não Destruas”.> Nós te damos graças, ó Deus, nós damos graças. Anunciamos a tua grandeza e contamos as coisas maravilhosas que tens feito. Salmos 76:1 <Salmo de Asafe. Canção. Ao regente do coro-para instrumentos de cordas.> Deus é bem conhecido em Judá; o seu nome é famoso em Israel. Salmos 77:1  <Salmo de Asafe. Ao regente do coro-para confissão.> Eu grito bem alto para Deus; grito, e ele me ouve. Salmos 78:1 <Poesia de Asafe.> Meu povo, escute o meu ensino e preste atenção no que estou dizendo! Salmos 79:1 <Salmo de Asafe.> Ó Deus, os pagãos invadiram a tua terra, profanaram o teu santo Templo e deixaram Jerusalém em ruínas. Salmos 80:1 <Salmo de Asafe. Um testemunho. Ao regente do coro-com a melodia de “Os Lírios”.> Ouve-nos, ó Pastor de Israel! Escuta-nos, tu que guias o teu rebanho! Tu que estás sentado no teu trono, que fica sobre os querubins, Salmos 81:1 <De Asafe. Ao regente do coro-com a melodia de “Os Lagares”.> Cantem com alegria a Deus, o nosso defensor; cantem louvores ao Deus de Jacó. Salmos 82:1 <Salmo de Asafe.> Deus toma o seu lugar na reunião dos deuses e no meio deles dá a sua sentença: Salmos 83:1  <Salmo de Asafe. Canção.> Ó Deus, não fiques em silêncio! Não te cales, nem fiques parado, ó Deus!

 

Ainda Nos Dias de Davi:

  • Davi deu a ordem para os chefes dos levitas constituírem seus irmãos os cantores. 1 Crônicas 15:16  Disse Davi aos chefes dos levitas que constituíssem a seus irmãos, os cantores, para que, com instrumentos músicos, com alaúdes, harpas e címbalos se fizessem ouvir e levantassem a voz com alegria. 1 Crônicas 16:37 O rei Davi pôs Asafe e os seus colegas levitas como encarregados permanentes da adoração que era feita no lugar onde a arca da aliança havia sido colocada. Eles deviam cumprir ali os seus deveres todos os dias.

Era um total de 4.000 pessoas para louvar; O próprio Davi preparou os instrumentos. 1 Crônicas 23:5  quatro mil porteiros e quatro mil para louvarem o SENHOR com os instrumentos que Davi fez para esse mister. 2 Crônicas 29:26  Estavam, pois, os levitas em pé com os instrumentos de Davi, e os sacerdotes, com as trombetas. 2 Crônicas 29:27  Deu ordem Ezequias que oferecessem o holocausto sobre o altar. Em começando o holocausto, começou também o cântico ao SENHOR com as trombetas, ao som dos instrumentos de Davi, rei de Israel. Neemias 12:36  e seus irmãos, Semaías, Azarel, Milalai, Gilalai, Maai, Netanel, Judá e Hanani, com os instrumentos músicos de Davi, homem de Deus; Esdras, o escriba, ia adiante deles.

  • Os levitas louvavam com os instrumentos músicos do Senhor. 2 Crônicas 7:6  Assim, o rei e todo o povo consagraram a Casa de Deus. Os sacerdotes estavam nos seus devidos lugares, como também os levitas com os instrumentos músicos do SENHOR, que o rei Davi tinha feito para deles se utilizar nas ações de graças ao SENHOR, porque a sua misericórdia dura para sempre. Os sacerdotes que tocavam as trombetas estavam defronte deles, e todo o Israel se mantinha em pé.
  • Na coroação de Joás, os levitas e cantores estavam em seus postos. 2 Crônicas 23:13  olhou, e eis que o rei estava junto à coluna, à entrada, e os capitães e os que tocavam trombetas, junto ao rei; e todo o povo da terra se alegrava, e se tocavam trombetas. Também os cantores com os instrumentos músicos dirigiam o canto de louvores. Então, Atalia rasgou os seus vestidos e clamou: Traição! Traição!
  • Na restauração da Páscoa, os instrumentos músicos estavam presentes com o ministério da música. 2 Crônicas 30:21  Os filhos de Israel que se acharam em Jerusalém celebraram a Festa dos Pães Asmos por sete dias, com grande júbilo; e os levitas e os sacerdotes louvaram ao SENHOR de dia em dia, com instrumentos que tocaram fortemente em honra ao SENHOR. 2 Crônicas 34:13  Todos os levitas peritos em instrumentos músicos eram superintendentes dos carregadores e dirigiam a todos os que faziam a obra, em qualquer sorte de trabalho. Outros levitas eram escrivães, oficiais e porteiros.

O MINISTÉRIO DA MÚSICA COMO FOI ORDENADO POR DAVÍ, NÃO SURGIU COMO FRUTO DA CRIATIVIDADE DO PROFETA, MAS FOI INSTRUÇÃO DIVINA PARA QUE O MESMO ACONTECESSE DE FORMA ORDENADA E AGRADÁVEL A DEUS!

2 Crônicas 29:25  Também estabeleceu os levitas na Casa do SENHOR com címbalos, alaúdes e harpas, segundo mandado de Davi e de Gade, o vidente do rei, e do profeta Natã; porque este mandado veio do SENHOR, por intermédio de seus profetas.

1 Crônicas 23:30 Deviam estar presentes todas as manhãs para renderem graças ao SENHOR e o louvarem; e da mesma sorte, à tarde;

1 Crônicas 16:42  Com eles, pois, estavam Hemã e Jedutum, que faziam ressoar trombetas, e címbalos, e instrumentos de música de Deus; os filhos de Jedutum eram porteiros.

Os cantores eram sustentados pelas doações do povo de Deus. (ofertas/dízimos). Neemias12: 46  Pois já outrora, nos dias de Davi e de Asafe, havia chefes dos cantores, cânticos de louvor e ações de graças a Deus. 47  Todo o Israel, nos dias de Zorobabel e nos dias de Neemias, dava aos cantores e aos porteiros as porções de cada dia; e consagrava as coisas destinadas aos levitas, e os levitas, as destinadas aos filhos de Arão.

Neemias 13:5  e fizera para este uma câmara grande, onde dantes se depositavam as ofertas de manjares, o incenso, os utensílios e os dízimos dos cereais, do vinho e do azeite, que se ordenaram para os levitas, cantores e porteiros, como também contribuições para os sacerdotes.

 Algumas Lições Aprendidas Com Este Estudo:

  1. Alguém que queira ser um ministro de louvor deve ser escolhido por Deus para este ministério. Por mais que Davi fosse um músico excelente, não foi escolhido para exaltar a Deus com os cânticos no templo. Apenas levitas (pastores consagrados para este fim e que entendessem de música, poderiam ministrar a música do templo).
  2. Asafe era regente, chefe, cantor, tocava pratos e profetizava com os seus cânticos. Isso mostra que Deus pode usar ricamente aqueles a quem Ele escolhe. Temos profetizado com os nossos cânticos? Ou é verdade que na sede por novidades, estamos produzindo e consumindo música ‘gospel’ que sequer fala de Deus?
  3. Deus escolheu Davi, Gade e Natã(3 profetas) para estabelecer a ordem no serviço do templo no que diz respeito à música. É o ministério mais bem recomendado (por 3 profetas). Isso nos ensina que Deus é detalhista! Quem recomenda o ministério dos nossos ‘ministros de louvor’?
  4. Provavelmente haviam outros instrumentos musicais, tais como os tambores, mas, Deus preferiu deixá-los de fora do templo. Por quê? Teríamos menos conflitos entre adoradores, se os tambores ficassem fora do templo? O Prof. Vanderlei Dorneles sustenta que “A exclusão do tambor no templo pode indicar que Deus não quis o instrumento na música de adoração por causa de sua relação direta com o misticismo e por sua influência no sentido de excitar as danças e embotar a consciência e o juízo.” (Cristão em Busca do Êxtase, páginas 193 e 194).

A restrição no uso desses instrumentos deveria ser uma regra válida para as futuras gerações? Quando o Rei Ezequias reavivou a adoração do Templo em 715 A.C., ele seguiu meticulosamente as instruções dadas por Davi. Nós lemos que o rei “estabeleceu os levitas na Casa do Senhor com címbalos, alaúdes e harpas, segundo mandado de Davi. . . porque este mandado veio do Senhor*, por intermédio de seus profetas”. (II Crônicas 29:25).

*Mas há quem diga que não foi uma ordem de Deus, mas apenas uma sugestão. Ou ainda se diz por aí que aqui é apenas um relato e não uma ordem ou recomendação para gerações futuras de judeus ou de cristãos. Portanto, use, por sua conta e risco…rsrs.

5. Asafe conduziu a sua família ao mesmo ministério e isso foi passado de pai para filho de geração a geração. Podemos ensinar nossos filhos a servir a Deus como ele recomenda

6. A música pode representar a adoração, no incidente com Josafá, percebe-se que aquele descendente de Asafe foi usado por Deus para levar o povo à verdadeira adoração através da música. (É coincidência a Bíblia mencionar o vale de Josafá como uma representação do conflito final? Joel 3: 2, 12)

7.Davi aceitou e ordenou o ministério levítico da música. Podemos aceitar as orientações de Deus, mesmo que nossas inclinações nos empurrem em outra direção.

8. Os levitas cantores não recebiam de acordo com sua produção musical, (ou seja, quanto maior sucesso maior seu ganho/lucro) mas, recebiam igualmente e do dízimo.(Neemias12: 46) Eles seguiam ordens que vinham diretamente de Deus concernentes ao serviço prestado a Deus! Tão diferente do que acontece hoje!

Anúncios
Publicado em Música na Igreja Advetista, Sem categoria

UM ARÃO, UM PEDRO OU UM BARTIMEU?


Um Arão!
Estes três personagens em três momentos distintos representam boa parte dos modernos seguidores de Jesus. Arão, quando faz o bezerro de ouro que o povo lhe pede, representa os líderes que servem o que a multidão pede. Este tipo de líder não tem coragem para falar qual a vontade de Deus… eles pregam os sermões que agradam aos ouvidos somente (Jeremias 6:14), e se calam sobre os pecados do povo.(Isaías 56:10). Este tipo de líder ignora os fiéis e foca nos infiéis, não para salvá-los (como fazia Jesus), mas para agradar-lhes os gostos não santificados. Estes estão sempre dispostos a fazer conseções em nome da paz e da união. (Êxodo 32: 1-26). Arão representa os líderes que servem o gosto da maioría e ignora a pequena tribo de Levi que se mantém fiel aos princípios. (v.26)
… Tal ocasião crítica exigia um homem de firmeza, decisão e coragem inflexível; um homem que tivesse a honra de Deus em maior conta do que o favor popular, a segurança pessoal, ou a própria vida. … Arão, com fraqueza, apresentou objeções ao povo, mas sua vacilação e timidez no momento crítico apenas os tornou mais decididos. O tumulto aumentou. … Arão temia pela sua própria segurança; e, em vez de manter-se nobremente pela honra de Deus, rendeu-se às exigências da multidão. Seu primeiro ato foi ordenar que os brincos de ouro fossem reunidos dentre todo o povo e trazidos a ele, esperando que o orgulho os levasse a recusar tal sacrifício. Voluntariamente, porém, cederam os seus ornamentos; e destes fez um bezerro fundido, à imitação dos deuses do Egito.( Ellen G. White em Patriarcas e Profetas, págs. 316 e 317.)
Hoje, há dentro de todas as igrejas, dois grupos distintos: Um que quer honrar e servir ao senhor com sinceridade de coração buscando em Sua palavra a Sua vontade. Há também um grupo (este bem maior) que vai à igreja para ser servido. No cardápio? Músicas que os façam lembrar do Egito, sermões que não ouse ter palavras de repreensão e/ou censura. Que o culto tenha: momentos de emoção extremada, independente do motivo, querem saber que tipo de bênçãos Deus pode lhes dar (uma nova terra agora), não estão preucupadas se estão ou não ofendendo ao Senhor na sua forma de adoração. Até mesmo porque têm muitos ‘Arãos’ para lhes dar cobertura e poucos  ‘Moiséses’ com coragem de advertí-los!
Há alguns de nós que assim como os levitas, do relato, percebem que as coisas não estão corretas e que as orgias espirituais tão populares nas igrejas cristãs atuais, não estão de acordo com a vontade de Deus. Mas, quem é louco de levantar a voz e como Moisés dizer: “Quem é do Senhor venha a mim”.(?)
As vezes acabamos pecando por tabela, pois chegamos a dizer: “AMÉM” depois de uma música à moda egípcia servida frenéticamente por uma bela voz! Alguns de nós nos tornamos culpados pelos atos dos dirigentes, dessa forma o pequeno grupo de levitas vai se tornando cada vez menor. Arão que se tornou culpado pela sua fraqueza ao ‘não’ repreender o povo no pecado da idolatria e pior ainda, acabou por participar com eles dos seus pecados servindo-lhes o que pediam.
Sobre a fraqueza de Arão, em: “Filhos e Filhas de Deus”, (p.209), é nos dito:
Repetimos o pecado de Arão, pacificando, quando os olhos devem ser claros em discernir o mal e declará-lo positivamente, mesmo que isso nos coloque numa posição desagradável, por nossos motivos poderem ser mal compreendidos. Não devemos suportar o mal em um irmão ou em qualquer pessoa com quem estejamos ligados. Essa negligência de postar-nos com firmeza em favor da verdade foi o pecado de Arão. Houvesse ele falado claramente a verdade, nunca se teria feito aquele bezerro de ouro. Carta 10, 1896.
Um Pedro!
Pedro, na noite em que Jesus foi traído e entregue aos sacerdotes, nega Jesus, representado todos aqueles que não conseguem manter uma posição firme em situações de conflito e desafio! Este representa aqueles que amam a Jesus, querem agradá-lo,(Mateus 26:33;Mateus 26:35) acham que vão conseguir, mas, quando começam a ser pressionados pelas circunstâncias e pelas outras pessoas, acabam se calando e se escondendo (acho que é aqui que me encaixo). Quantos assim como eu, ainda temem a multidão, seguem a Jesus de longe, (Mateus 26:58) como fez Pedro na noite em que Jesus foi preso.
Ele temeu  falar a verdade, ou dar um bom testemunho sobre Jesus (o que Ele sabia sobre Jesus). Não conseguiu se posicionar em favor do que é correto, pois isto significava  estar no desfavor da multidão!(Mateus 26:73,74)
Os “Pedros” modernos precisam olhar para Jesus e sentir (Lucas 22:61 ). Precisamos chorar amargamente aos pés de Jesus,confessar o nosso pecado e nos retratar como fez Pedro!

Um Bartimeu!
Bartimeu, porém, representa aqueles que não se importam com a multidão e grita o nome de Jesus buscando a cura!
Precisamos assim como Bartimeu que não se importou com a multidão, ir à Cristo com um coração sincero e com as nossas vontades depositadas aos pés do grande mestre, pois raramente a multidão, a maioria, esteve do lado da verdade. No antigo Israel, quando todo o povo se corrompia, apenas uma pequena parte mantinha-se fiel, na idade média não foi diferente e nos dias de hoje, quando o mundo cristão levanta seus ídolos da música, precisamos estar atentos para simplesmente não seguir a multidão!
Outro exemplo? Quando todo o povo se prostrou diante da estátua do rei Nabucodonosor através dos seus representantes. Como está relatado em Daniel 3:7,”Portanto, quando todos os povos ouviram o som da trombeta, do pífaro, da harpa, da cítara, do saltério e de toda sorte de música, se prostraram os povos, nações e homens de todas as línguas e adoraram a imagem de ouro que o rei Nabucodonosor tinha levantado.”
Através dos seus representantes, todo o povo adorou a estátua de Nabucodonosor. Pois, pelo que consta na Bíblia, apenas os representantes do povo estavam ali para adorar a imagem. ( Daniel 3:2,3).
Haviam muitos outros israelitas ali,mas somente os fiéis permaneceram de pé!
Lucas 21:36  Vigiai pois em todo o tempo, orando, para que sejais havidos por dignos de evitar todas estas coisas que hão de acontecer e de estar em pé diante do Filho do homem.

Publicado em Sem categoria

A Doutrina da “Carne Santa”


 

 

 

Caro adventista que está em dúvida se a doutrina da carne santa, foi usada como símbolo para o que aconteceria em um futuro próximo (nos dias de Elle G. White) ou para os nossos dias. Antes da terminação da graça!

Afinal, Ellen White acreditava na doutrina da porta da graça fechada para os seus dias?

Acreditar dessa forma, não seria abrir precedentes para esta crença?

(O texto abaixo foi retirado diretamente da fonte!- Incluindo títulos e subtítulos, as partes em itálico foram escritas por mim e os grifos foram acrescentados para destacar pontos do texto)

Uma Repetição do Antigo Fanatismo
Foi-me dada instrução relativamente à última experiência dos irmãos de Indiana e o ensino que deram às igrejas.
Mediante esse movimento e ensino o inimigo tem estado operando para desencaminhar almas.
O ensino dado com relação ao que é denominado “carne santa” é um erro. Todos podem obter agora corações puros, mas não é correto pretender nesta vida possuir carne santa. O apóstolo Paulo declara: “Eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum.” Rom. 7:18. Aos que têm procurado tão ativamente obter pela fé a chamada carne santa, quero dizer: Não a podeis obter. Nem uma pessoa dentre vós tem agora carne santa. Ser humano algum na Terra tem carne santa. E uma impossibilidade.
Se aqueles que falam tão francamente de perfeição na carne, pudessem ver as coisas sob seu verdadeiro aspecto, recolher-se-iam com horror de suas idéias presunçosas. Mostrando o engano de suas suposições quanto à carne santa, o Senhor está buscando impedir que homens e mulheres dêem a Suas palavras uma interpretação que leve à corrupção do corpo, da alma e do espírito. Seja esse aspecto de doutrina levado um pouco mais longe, e conduzirá à pretensão de que seus defensores não podem pecar; de que uma vez que tenham carne santa, suas ações são todas santas. Que porta de tentação se abriria assim!
As Escrituras nos ensinam a buscar santificar corpo, alma e espírito a Deus. Nesta obra, devemos ser coobreiros de Deus. Muito se pode fazer para restaurar a imagem moral de Deus no homem, para melhorar as faculdades físicas, mentais e morais. Grandes mudanças se podem operar no organismo físico mediante obediência às leis de Deus e não introduzindo no corpo coisa alguma que contamine. E se bem que não possamos pretender a perfeição da carne, podemos possuir perfeição cristã da alma. Mediante o sacrifício feito em nosso favor, os pecados podem ser perfeitamente perdoados. Nossa confiança não está no que o homem pode fazer; sem, naquilo que Deus pode fazer pelo homem por meio de Cristo. Quando nos entregamos inteiramente a Deus, e cremos plenamente, o sangue de Cristo purifica de todo pecado. A consciência pode ser libertada da condenação. Pela fé em Seu sangue, todos podem ser aperfeiçoados em Cristo Jesus. Graças a Deus por não estarmos lidando com impossibilidades. Podemos pretender santificação. Podemos fruir o favor de Deus. Não devemos estar ansiosos acerca do que Cristo e Deus pensam de nós, mas do que Deus pensa de Cristo, nosso Substituto. Vós sois aceitos no Amado. O Senhor mostra, aos contritos, crentes, que Cristo aceita a entrega da alma, para ser moldada e afeiçoada segundo a Sua imagem.
Em Sua vida na Terra, Cristo poderia haver feito revelações que haveriam eclipsado e lançado ao esquecimento todas as descobertas humanas. Poderia haver aberto porta após porta às coisas misteriosas, e muitas revelações de verdades eternas haveriam sido o seguro resultado. Ele poderia haver proferido palavras que teriam sido qual chave para descerrar mistérios que haveriam cativado a mente de gerações até ao fim do tempo. Cristo, porém, não abre as numerosas portas a que a curiosidade humana tem lutado por obter entrada. Não apresenta para os homens um banquete que se demonstraria prejudicial a seus mais altos interesses. Ele veio plantar para os homens, não a árvore da ciência, mas a árvore da vida. …
Fui instruída a dizer aos de Indiana que estão defendendo doutrinas estranhas: Estais dando feição errada à preciosa e importante obra de Deus. Mantende-vos dentro dos limites da Bíblia. Tomai as lições de Cristo, e repeti-as mais e mais. Lembrai-vos de que “a sabedoria que do alto vem é, primeiramente, pura, depois pacífica, moderada, tratável, cheia de misericórdia e de bons frutos, sem parcialidade, e sem hipocrisia. Ora o fruto da justiça semeia-se na paz, para os que exercitam a paz.” Tia. 3:17 e 18.
Quando os seres humanos receberem carne santa, não permanecerão na Terra, mas serão levados ao Céu. Se bem que o pecado seja perdoado nesta vida, seus resultados não são agora inteiramente removidos. É por ocasião de Sua vinda que Cristo deve transformar “nosso corpo abatido, para ser conforme o Seu corpo glorioso”. Filip. 3:21. …

Ela nega a possibilidade da adquisição de “carne santa”-(uma semelhança à doutrina pentencostal de:”uma vez salvo, salvo para sempre”- ver: http://www.palavraprudente.com.br/estudos/steve_h/micelanea/cap06.html).

Estas manifestações fanáticas iriam se manifestar em nossos dias!

Repetidas vezes, no avanço de nossa obra, têm surgido movimentos fanáticos, e quando a questão me tem sido apresentada, tenho tido de dar uma mensagem semelhante à que estou apresentando aos irmãos de Indiana. Fui instruída pelo Senhor de que esse movimento de Indiana é do mesmo caráter que os movimentos que apareceram nos anos passados. Tem havido em vossas reuniões religiosas exercícios semelhantes aos que testemunhei nos movimentos anteriores.
No período da decepção, depois da passagem do tempo em 1844, levantou-se o fanatismo em várias formas. Alguns sustentavam que a ressurreição dos mortos já tivera lugar. Foi-me mandado dar uma mensagem aos que acreditavam nisto, assim como estou hoje apresentando uma mensagem a vós. Eles declaravam que estavam perfeitos, que corpo, alma e espírito estavam santos. Tinham manifestações semelhantes às que há entre vós, e confundiam a própria mente e a dos outros com suas maravilhosas suposições. Todavia essas pessoas eram irmãos nossos amados, e anelávamos ajudá-los. Fui a suas reuniões. Havia exaltação, com ruído e confusão. Não se podia distinguir uma coisa da outra. Alguns pareciam estar em visão, e caíam por terra. Outros pulavam, dançavam e gritavam. Declaravam que, como sua carne estivesse purificada achavam-se prontos para a trasladação. Isto repetiam e repetiam. Dei meu testemunho em nome do Senhor, manifestando Sua reprovação a essas manifestações.
Alguns que se achavam empenhados nesses movimentos foram levados à sã razão, e viram seu engano. Alguns haviam sido pessoas excelentes, sinceras, mas julgavam que a carne santificada não podia pecar, sendo assim apanhados na armadilha de Satanás. Haviam levado tão longe suas fortes idéias, que se tornaram uma ofensa à causa preciosa de Deus. Esses se arrependeram amargamente, e alguns deles se acharam posteriormente entre os homens e mulheres mais fidedignos. Outros, porém, andaram depois sempre em tristeza. Não nos foi possível, em tempo algum fazê-los sentir que eram dignos de trabalhar para o Mestre, cuja causa preciosa eles haviam tão grandemente desonrado.
Em resultado de movimentos fanáticos como os que acabo de descrever, pessoas que não eram de modo algum responsáveis por eles, em alguns casos, perderam a razão. Não podiam harmonizar as cenas de agitação e tumulto com sua preciosa experiência passada; foram extraordinariamente pressionadas a receber a mensagem do erro; foi-lhes representado que a menos que o fizessem, iriam perder-se; e em resultado disso, ficaram desequilibradas, e algumas loucas. Estas coisas trazem opróbrio à causa da verdade, e entravam a proclamação da última mensagem de misericórdia ao mundo.

Gritos não São Sinal de Santificação
A maneira por que têm sido dirigidas as reuniões em Indiana, com barulho e confusão, não as recomendam a espíritos refletidos e inteligentes. Nada existe nessas demonstrações que convença o mundo de que possuímos a verdade. Mero ruído e gritos não são sinal de santificação, ou da descida do Espírito Santo. Vossas desenfreadas demonstrações só criam desagrado no espírito dos incrédulos. Quanto menos houver de tais demonstrações, tanto melhor para os atores e para o povo em geral.

O Fanatismo é um mal difícil de erradicar
O fanatismo, uma vez iniciado e deixado às soltas, é tão difícil de extinguir como o incêndio que tomou conta de um prédio. Os que entraram nesse fanatismo e o mantiveram, fariam muitíssimo melhor em estar empenhados em obra secular; pois devido a sua atitude incoerente estão desonrando ao Senhor e pondo em perigo o Seu povo. Muitos movimentos dessa espécie surgirão neste tempo, quando a obra do Senhor deve manter-se elevada, pura, sem superstições e fábulas. Precisamos estar em guarda, manter íntima ligação com Cristo, para não sermos enganados pelos ardis de Satanás.
O Senhor deseja manter em Seu serviço ordem e disciplina, não agitação e confusão. Não somos agora capazes de descrever acuradamente as cenas a serem representadas em nosso mundo no futuro; isto, porém, sabemos: que este é um tempo em que precisamos velar em oração; pois o grande dia do Senhor está às portas. Satanás está arregimentando suas forças. Necessitamos ser refletidos e guardar silêncio, e contemplar as verdades da revelação. A agitação não é favorável ao crescimento na graça, à genuína pureza e santificação do espírito.
Deus quer que lidemos com sagrada verdade. Unicamente isto convencerá os contraditores. Importa desenvolver trabalho calmo, sensato, para convencer almas de sua condição, mostrar-lhes a edificação do caráter que deve ser levada avante, caso haja de erguer-se uma bela estrutura para o Senhor. Mentes que são despertadas precisam ser pacientemente instruídas caso compreendam corretamente e apreciem devidamente as verdades da Palavra.
Deus chama Seu povo a andar com sobriedade e santa coerência. Eles devem ser muito cuidadosos de não representar mal e nem desonrar as santas doutrinas da verdade mediante estranhas exibições, por confusão e tumulto. […] Quando os crentes falam a verdade tal como é em Jesus, revelam uma calma santa e judiciosa, não uma tempestade de confusão. General Conference Bulletin, 23 de abril de 1901.

Culto com uma Balbúrdia de Ruído-Profecia para nossos dias
Impossível é calcular demasiado grandemente a obra que o Senhor há de efetuar mediante os vasos por Ele designados na execução de Seu pensamento e propósito. As coisas que descrevestes como ocorrendo em Indiana, o Senhor revelou-me que haviam de ocorrer imediatamente antes da terminação da graça. Demonstrar-se-á tudo quanto é estranho. Haverá gritos com tambores, música e dança. Os sentidos dos seres racionais ficarão tão confundidos que não se pode confiar neles quanto a decisões retas. E isto será chamado operação do Espírito Santo.


A Profetiza que indica que isto aconteceria, indica também que isto não é obra do Espírito Santo!

O Espírito Santo nunca Se revela por tais métodos, em tal balbúrdia de ruído. Isso é uma invenção de Satanás para encobrir seus engenhosos métodos para anular o efeito da pura, sincera, elevadora, enobrecedora e santificante verdade para este tempo. É melhor nunca ter o culto do Senhor misturado com música do que usar instrumentos músicos para fazer a obra que, foi-me apresentado em janeiro último, seria introduzida em nossas reuniões campais.

A verdade para este tempo não necessita nada dessa espécie em sua obra de converter almas. Uma balbúrdia de barulho choca os sentidos e perverte aquilo que, se devidamente dirigido, seria uma bênção. As forças dos agentes satânicos misturam-se com o alarido e barulho, para ter um carnaval, e isto é chamado de operação do Espírito Santo.
Ao findar a reunião campal, o bem que devia haver sido feito e poderia havê-lo sido pela apresentação da verdade sagrada, não se realiza. Os que participam do suposto reavivamento recebem impressões que os levam ao sabor do vento. Não podem dizer o que sabiam anteriormente quanto aos princípios bíblicos.
Nenhuma animação deve ser dada a tal espécie de culto. A mesma espécie de influência se introduziu depois da passagem do tempo em 1844. Fizeram-se as mesmas espécies de representações. Os homens ficaram exaltados, e eram trabalhados por um poder que pensavam ser o poder de Deus. …

Ao lermos a história de Arão no deserto, quando faz um bezerro de ouro para satisfazer o gosto do populacho que seguia junto ao povo de Deus, vemos também uma imagem do que acontecería nos últmos dias quando pastores e líderes cristão, para agradar ‘a juventude’, o populacho que acompanha o povo de Deus, permite que dentro das igrejas sejam cantadas músicas que ofedem a Deus em sua composição e execução (pois se assemelham às canções oferecidas aos ‘deuses’ do egito). Os rítmos, não são sacros, são profanos (sertanejos, bregas, rock, pop, rap, etc). Tudo é permitido neste sincronismo religioso que presenciamos em nossos dias e tudo, assim como Arão o fez, em nome de Deus! “Estes são os teus deuses que te tiraram da terra do egito”(Êxodo 32:1, 4,8, Salmo 106:19,20). Mesmo que eles disseram que aqueles bezerros representavam Jeová, aquela adoração com danças e diversões não foi aceita por Deus, assim como a de hoje executada desta forma não o é!

A História se Repetirá
Não entrarei em toda a triste história; é demasiado. Mas em janeiro último o Senhor mostrou-me que seriam introduzidos em nossas reuniões campais teorias e métodos errôneos, e que a história do passado se repetiria. Senti-me grandemente aflita. Fui instruída a dizer que, nessas demonstrações, acham-se presentes demônios em forma de homens, trabalhando com todo o engenho que Satanás pode empregar para tornar a verdade desagradável às pessoas sensatas; que o inimigo estava procurando arranjar as coisas de maneira que as reuniões campais, que têm sido o meio de levar a verdade da terceira mensagem angélica perante as multidões, venha a perder sua força e influência.
A mensagem do terceiro anjo deve ser dada em linhas direitas. Importa que seja conservada isenta de todo traço das vulgares, infelizes invenções das teorias humanas, preparadas pelo pai da mentira, e disfarçadas, como a serpente brilhante empregada por Satanás como meio de enganar a nossos primeiros pais. Assim busca Satanás pôr seu selo sobre a obra que Deus quer que se destaque em pureza.
O Espírito Santo nada tem que ver com tal confusão de ruído e multidão de sons como me foram apresentadas em janeiro último. Satanás opera entre a algazarra e a confusão de tal música, a qual, devidamente dirigida, seria um louvor e glória para Deus. Ele torna seu efeito qual venenoso aguilhão da serpente.
Essas coisas que aconteceram no passado hão de ocorrer no futuro. Satanás fará da música um laço pela maneira por que é dirigida. Deus convida Seu povo, que tem a luz diante de si na Palavra e nos Testemunhos, a ler e considerar, e dar ouvidos. Instruções claras e definidas têm sido dadas a fim de todos entenderem. Mas a comichão do desejo de dar origem a algo de novo dá em resultado doutrinas estranhas, e destrói largamente a influência dos que seriam uma força para o bem, caso mantivessem firme o princípio de sua confiança na verdade que o Senhor lhes dera.
“Portanto convém-nos atentar com mais diligência para as coisas que já temos ouvido, para que em tempo algum nos desviemos delas. Porque, se a palavra falada pelos anjos permaneceu firme, e toda a transgressão e desobediência recebeu a justa retribuição, como escaparemos nós, se não atentarmos para uma tão grande salvação, a qual, começando a ser anunciada pelo Senhor, foi-nos depois confirmada pelos que a ouviram?” Heb. 2:1-3. “Vede irmãos, que nunca haja em qualquer de vós um coração mau e infiel, para se apartar do Deus vivo. Antes exortai-vos uns aos outros todos os dias, durante o tempo que se chama Hoje, para que nenhum de vós se endureça pelo engano do pecado. Porque nos tornamos participantes de Cristo, se retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até ao fim.” Heb. 3:12-14.[..]
A verdade precisa ser apresentada em linhas bem definidas pelos fiéis embaixadores do Senhor. Muito disso que é hoje chamado verdade-teste é pretensão que leva à resistência do Espírito Santo. …

Apresentação Imperfeita Quanto ao Espírito Santo
Muito se está dizendo relativamente à comunicação do Espírito Santo, e isto está sendo por alguns interpretado de tal maneira que é um dano às igrejas. Vida eterna é o recebimento dos elementos vivos das Escrituras e o fazer a vontade de Deus. Isto é comer a carne e beber o sangue do Filho de Deus. Aos que isto fazem, são trazidos à luz vida e imortalidade pelo evangelho, pois a Palavra de Deus é realidade e verdade, espírito e vida. É privilégio de todos quantos crêem em Jesus Cristo como seu Salvador pessoal alimentar-se da Palavra de Deus. A influência do Espírito Santo torna a Palavra, a Bíblia, uma verdade imortal, que ao indagador que ora, comunica nervos e músculos espirituais.
“Examinais as Escrituras”, declarou Cristo, “porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de Mim testificam.” João 5:39. Os que cavam abaixo da superfície descobrem às escondidas gemas da verdade. O Espírito Santo acha-Se presente com o sincero indagador. Sua iluminação resplandece sobre a Palavra, gravando a verdade na mente com nova importância. O pesquisador enche-se de um senso de paz e alegria nunca dantes experimentadas. A preciosidade da verdade é compreendida como nunca dantes. Uma nova luz celeste brilhe sobre a Palavra, iluminando-a como se cada letra se tingisse de ouro. O próprio Deus falou à mente e ao coração, tornando a Palavra espírito e vida.
Todo sincero pesquisador da Palavra ergue o coração a Deus, implorando o auxílio do Espírito. E descobre em breve aquilo que o leva acima de todas as fictícias declarações do pretenso mestre, cujas teorias fracas e vacilantes não são apoiadas pela Palavra do Deus vivo. Essas teorias foram inventadas por homens que não aprenderam a primeira grande lição de que o Espírito e a vida de Deus Se encontram em Sua Palavra. Caso houvessem recebido no coração o elemento eterno contido na Palavra de Deus, veriam quão débeis e inexpressivos são todos os esforços para arranjar algo novo que cause sensação. Eles necessitam aprender mesmo os elementares princípios da Palavra de Deus; teriam então a palavra de vida para o povo, que distinguirá em breve a palha do trigo, pois Jesus deixou Sua promessa com os discípulos. Carta 132, 1900.

Fonte:  Mensagens Escolhidas, vol2, pág. 34 a 39.

Publicado em Música na Igreja Advetista, Sem categoria

Repetir-se-á o Primitivo Fanatismo


Remover os Marcos
Nosso povo precisa entender as razões de nossa fé e experiências passadas. Quão triste é que tantos deles pareçam pôr ilimitada confiança em homens que apresentam teorias tendentes a desarraigar-nos as teorias do passado e a remover os velhos marcos! Aqueles que podem ser tão facilmente levados por um falso espírito mostram que estiveram seguindo errado líder por algum tempo – tanto, que não discernem estar-se apartando da fé, ou que não estão construindo sobre o verdadeiro fundamento. Necessitamos rogar a todos que ponham os óculos espirituais, que tenham os olhos ungidos para que possam ver claramente e discernir as colunas verdadeiras da fé. Então hão de conhecer que “o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são Seus”. II Tim. 2:19. Precisamos reviver os velhos sinais da fé uma vez entregue aos santos.
Toda concebível doutrina fantasiosa e enganosa será apresentada por homens que pensam possuir a verdade. Alguns estão agora ensinando que nascerão crianças na nova Terra. É isto verdade presente? Quem inspirou esses homens a apresentarem tais teorias? Deu o Senhor a alguém esses pontos de vista? – Não; as coisas reveladas são para nós e nossos filhos, mas quanto às não reveladas, e que não têm que ver com nossa salvação, o silêncio é eloqüência. Essas idéias estranhas nem deviam ser mencionadas, quanto mais ensinadas como verdades essenciais.
Chegamos a um tempo em que as coisas devem ser chamadas pelo verdadeiro nome. Como fizemos nos primeiros tempos, precisamos levantar-nos e, sob o Espírito de Deus, repreender a obra do engano. Alguns dos sentimentos agora expressos são o alfa de algumas das idéias mais fanáticas que podiam ser apresentadas. Ensinos semelhantes a esses que tivemos de enfrentar pouco depois de 1844, estão sendo ensinados por alguns que ocupam posições importantes na obra de Deus.
Em New Hampshire, em Vermont, e em outros lugares, tivemos de resistir à obra furtiva, enganadora do fanatismo. Pecados presunçosos eram cometidos, e alguns condescendiam francamente com concupiscências profanas, sob a capa de santificação. A doutrina do amor livre e espiritual era advogada. Vimos o cumprimento da escritura “que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios”. I Tim. 4:1. The Southern Watchman, 5 de abril de 1904.

Não se Requerem Demonstrações Corporais
A genuína religião não requer grandes demonstrações corporais. … Estas não são indício da presença do Espírito de Deus. Em 1843 e 1844 fomos chamados a enfrentar exatamente essa espécie de fanatismo. Homens diziam: Tenho o Espírito Santo de Deus. E entravam na reunião e rolavam como um arco; e como alguns não recebessem isto como sinal da operação do Espírito de Deus, eram considerados pessoas ímpias. O Senhor enviou-me ao meio deste fanatismo. … Alguns vinham a mim e perguntavam: Por que não vos unis a eles? Eu disse: Tenho outro Líder que não esse, Alguém que é manso e humilde de coração, Alguém que não fez nenhuma demonstração assim como estais fazendo aqui, nem tais vanglórias. Essas demonstrações não são de Cristo, mas do diabo. Manuscrito 97, 1909.
Pretensão de Estar Selado e Santo
Em 1850, meu marido e eu visitamos Vermont, Canadá, New Hampshire e Maine. As reuniões foram realizadas em casas particulares. Era então quase impossível alcançar os incrédulos. A decepção de 1844 confundira a mente de muitos, e não aceitavam qualquer explicação do assunto. Estavam impacientes e incrédulos, e muitos pareciam rebeldes, mostrando-se decididamente contra sua passada experiência adventista. Outros não ousavam ir tão longe, e negar a maneira por que o Senhor os conduzira. Esses alegravam-se em ouvir argumentos da Palavra de Deus que harmonizassem nossa posição com a história profética. Ao escutarem uma explicação do desapontamento que fora tão amargo para eles, viram que na verdade Deus os conduzira, e regozijaram-se na verdade. Isto despertou a mais cruel oposição da parte dos que negavam nossa experiência passada.

[Pessoas Que Não Podiam Pecar]
Tivemos, porém, elemento ainda pior a enfrentar em uma classe que pretendia estarem santificados, que não podiam pecar, que estavam selados e santos, e que todas as suas impressões e noções eram a mente de Deus. Pessoas conscienciosas foram iludidas pela pretensa piedade desses fanáticos. Satanás trabalhara astutamente para fazer com que esses enganados aceitassem o sábado, porquanto mediante sua influência, ao mesmo tempo que professavam crer parte da verdade, ele podia impingir ao povo grande número de erros. Podia também usá-los com proveito para desagradar os incrédulos, que apontavam esses incoerentes e irrazoáveis como representantes dos adventistas do sétimo dia. Essa classe exigia do povo provas e cruzes de feitura humana, que Cristo não lhes dera a carregar.
Eles pretendiam curar os doentes e operar milagres. Possuíam poder satânico, fascinante; eram, todavia, despóticos, ditatoriais e cruelmente opressivos. O Senhor usou-nos como instrumentos para repreender esses fanáticos, e abrir os olhos de Seu povo fiel para o verdadeiro caráter da obra deles. Paz e alegria vieram ao coração daqueles que romperam com esse engano de Satanás, e glorificaram a Deus ao ver Sua infalível sabedoria no pôr diante deles a luz da verdade e seus preciosos frutos em contraste com as heresias e enganos satânicos.
A verdade brilhou em contraste com esses enganos qual ouro puro entre a escória da Terra. Review and Herald, 20 de novembro de 1883.

Manchando a Santidade da Obra
Estou incumbida de conservar diante de nosso povo – ministros do evangelho, e todos quantos professam comunicar ao mundo a luz da verdade – o perigo de manchar a santidade da obra de Deus mediante consentir mentalmente com uma interpretação vulgar da maneira por que Deus deseja que Sua obra seja feita. Tenho tido instruções especiais relativamente a serem introduzidos planos e invenções humanos na obra de dar a conhecer ao mundo a verdade para este tempo.
Foi repetidamente ordenado em anos anteriores que falasse em protesto contra os esquemas fantasiosos e proibidos que têm sido apresentados por uns e por outros. Minha mensagem tem sido sempre: Pregai a Palavra com simplicidade e com toda a humildade; apresentai ao povo a verdade clara, pura. Não abrais a porta a movimentos fanáticos, pois a influência deles é trazer confusão de espírito, desânimo e falta de fé ao povo de Deus. …
Sempre que tenho sido chamada a enfrentar o fanatismo em suas várias formas, tenho recebido instruções claras, positivas e definidas para levantar a voz contra sua influência. Da parte de alguns, o mal se tem revelado na forma de provas de feitura humana para verificar o conhecimento da vontade de Deus; e foi-me mostrado que isto era um engano que se tornava absorção, e que é contrário à vontade do Senhor. Se seguirmos tais métodos, seremos achados ajudando o inimigo em seus planos. Em tempos passados, alguns entre os crentes tinham grande fé em estabelecer sinais pelos quais decidir seu dever. Alguns tinham tal confiança nesses sinais que homens foram tão longe que trocaram de esposas trazendo assim adultério para dentro da igreja.
Foi-me mostrado que enganos como aqueles que fomos chamados a enfrentar nas primeiras experiências da mensagem, repetir-se-iam, e que teremos de enfrentá-los nos últimos dias da obra. É requerido de nós, neste tempo, pôr todas as nossas faculdades sob o controle de Deus, exercitando-as em harmonia com a luz que Ele deu. Lede os capítulos quatro e  cinco de Mateus. Estudai Mateus 4:8-10; também Mateus 5:13. Meditai na sagrada obra levada avante por Cristo. É assim que os princípios da Palavra de Deus devem ser introduzidos em nossos labores. Carta 36, 1911.

Manter a Conduta Adequada
Passado o tempo de 1844, o fanatismo entrou nas fileiras dos adventistas. Deus deu mensagens de advertências para deter esse novo mal. Havia excessiva familiaridade entre alguns homens e mulheres. Apresentei-lhes a santa norma da verdade que deveríamos alcançar, e a pureza de conduta que nos cumpria manter, a fim de alcançar a aprovação de Deus e ser sem mancha nem ruga ou coisa semelhante. Soleníssimas acusações da parte de Deus foram feitas a homens e mulheres cujos pensamentos estavam fluindo em direção impura, ao passo que pretendiam ser especialmente favorecidos por Deus; mas a mensagem dada por Deus foi desprezada e rejeitada. …
Não nos achamos mesmo agora fora de perigo. Toda alma que se empenha em dar ao mundo a mensagem de advertência será rudemente tentada a seguir um modo de viver que seja negação da fé.
Como obreiros, precisamos estar unidos em franzir a testa e condenar qualquer coisa que apresente a mínima aproximação do mal, em nossa associação uns com os outros. Santa é nossa fé; nossa obra é reivindicar a honra da lei de Deus, e não de caráter que rebaixe alguém a nível inferior em pensamentos e conduta. Muitos há que professam crer e ensinar a verdade, e têm erros e idéias fantasiosas deles próprios de mistura com a verdade. Há, porém, exaltada plataforma para ocuparmos. Importa crermos e ensinarmos a verdade tal como é em Jesus. A santidade de coração jamais conduzirá a ações impuras. Quando alguém que pretende estar ensinando a verdade se inclina a estar muito em companhia de mulheres jovens ou mesmo casadas, quando põe familiarmente a mão em sua pessoa, ou é achado a conversar com elas de maneira familiar, temei-o; os puros princípios da verdade não estão entretecidos em sua alma. Tais pessoas não são coobreiros de Jesus; não estão em Cristo, e Cristo não habita neles. Eles necessitam inteira conversão antes de Deus lhes poder aceitar a adoração. A verdade de origem celeste nunca rebaixa aquele que a recebe, não o leva nunca à mínima aproximação de indevida familiaridade; ao contrário, santifica o crente, apura-lhe o gosto, eleva-o e enobrece, e coloca-o em íntima ligação com Jesus. Fá-lo considerar a recomendação do apóstolo Paulo de abster-se de toda aparência do mal, para que seu bem não seja blasfemado. Review and Herald, 10 de novembro de 1885.

Fonte: Ellen G. White; Livro: Mensagens Escolhidas, vol2, p.24 a 30.

Publicado em Sem categoria

Advertências Contra Ensinos Sensacionais e Religião Emocional


Começamos este estudo lhe fazendo a pergunta: Você já foi chamado de fanático alguma vez?Alguns Responderão Que Sim, Outros Responderão que Jamais!

O que Ellen White fala sobre o fanatismo para os últimos dias?

Advertências Contra Ensinos Sensacionais e Religião Emocional

O Perigo de Idéias Especulativas
“Há um tempo de angústia a sobrevir ao povo de Deus, mas não devemos manter isto sempre diante do povo, e levá-los a antecipar um tempo de angústia. Haverá uma sacudidura entre o povo de Deus; isto, porém, não é verdade presente a levar às igrejas. Será o resultado de recusar a verdade apresentada.
Os ministros não devem supor que têm algumas maravilhosas idéias avançadas, e a menos que todos as recebam, serão sacudidos fora, e surgirá um povo para ir avante e acima, à vitória. O objetivo de Satanás cumpre-se tão certamente quando homens vão na dianteira de Cristo e fazem obra que Ele nunca lhes confiou, como quando permanecem no estado laodiceano, morno, julgando-se rico e enriquecido de bens, sem de nada necessitar. Ambas as classes são igualmente pedras de tropeço.

Algumas pessoas zelosas que visam e põem toda energia em busca de originalidade, têm cometido sério erro em procurar arranjar algo de sensacional, maravilhoso, fascinante aos olhos do povo, alguma coisa que pensam que os outros não compreendem; muitas vezes, porém, eles próprios não sabem de que falam. Especulam com a Palavra de Deus, adiantando idéias que não oferecem o mínimo de proveito a eles próprios ou às igrejas. Podem, no momento, despertar a imaginação; há, no entanto, uma reação, e essas mesmas idéias tornam-se obstáculo. A fé é confundida com a fantasia, e seus pontos de vista podem inclinar a mente na direção errada. Sejam as claras e simples declarações da Palavra de Deus alimento para o espírito; esta especulação sobre idéias que não se acham claramente apresentadas aí, é coisa perigosa. Manuscrito 111.
O perigo que ameaça nossas igrejas é que coisas novas e estranhas serão introduzidas, coisas que confundem a mente do povo, e não lhes dão forças, no próprio tempo em que eles mais delas necessitam nas coisas espirituais. É necessário claro discernimento para que coisas novas e estranhas não venham a ser colocadas ao lado da verdade como parte do peso da mensagem a ser dada neste tempo. As mesmas mensagens que temos estado a anunciar ao mundo devem ser salientadas. An Appeal for Canvassers, págs. 1 e 2.

A Sedução das Teorias Novas
Todos os aspectos de fanatismo e teorias errôneas, que pretendem ser a verdade, serão introduzidos entre o povo remanescente de Deus. Estas coisas encherão mentes de sentimentos errôneos que não têm parte com a verdade para este tempo. Qualquer homem que suponha que na energia das resoluções planejadas por ele próprio, em sua força intelectual unida com ciência ou pseudoconhecimento, ele pode iniciar uma obra que haja de conquistar o mundo, encontrar-se-á a jazer entre as ruínas de suas próprias especulações, e compreenderá plenamente porque ali se encontra. …
Segundo a luz que me foi dada pelo Senhor, erguer-se-ão homens falando coisas perversas. Sim, eles já têm estado a trabalhar e falando coisas que Deus nunca revelou, pondo verdade sagrada no mesmo nível de coisas comuns. Os assuntos se têm constituído e continuarão a constituir-se de presunçosos enganos de homens, não da verdade. As invenções da mente humana criarão testes que não são testes absolutamente, para que, quando o teste verdadeiro for salientado, seja considerado em termo de igualdade com aqueles de feitura humana que não têm sido de nenhum valor. Podemos esperar que tudo será introduzido e misturado com a sã doutrina, mas mediante claro discernimento espiritual, pela unção celeste, podemos distinguir o sagrado do profano que está sendo introduzido para confundir a fé e o são juízo, e desmerecer a grande, grandiosa verdade probante para estes dias. …
Nunca, nunca houve um tempo em que a verdade sofresse mais por ser desvirtuada, amesquinhada, desmerecida mediante as perversas disputas dos homens, do que nestes últimos dias. Os homens se introduziram com sua massa heterogênea de heresias que eles apresentam como oráculos ao povo. O povo é seduzido com algumas coisas novas e estranhas, e não são sábios na experiência para discernir o caráter das idéias que os homens arquitetem como sendo alguma coisa. O chamá-las, porém, coisa de grande conseqüência, e ligá-las aos oráculos de Deus, não as torna verdade. Oh! como isto reprova a baixa norma de piedade nas igrejas!
Os homens que querem apresentar alguma coisa original fazem surgir como por encanto coisas novas e estranhas, e sem consideração avançam nessas instáveis teorias que foram entretecidas como teoria preciosa, e apresentam-na como questão de vida e morte. Carta 136a, 1898.

A Necessidade de Claro Discernimento
Ao aproximar-nos do tempo em que os principados, potestades e exércitos espirituais da maldade nos lugares celestiais serão levados à luta contra a verdade, quando o poder enganador de Satanás será tão grande que, se possível, enganaria até os escolhidos, cumpre-nos ter o discernimento aguçado pela iluminação divina, para que possamos conhecer o espírito que é de Deus, para não sermos ignorantes dos ardis de Satanás. O esforço humano precisa aliar-se ao poder divino, a fim de sermos capazes de realizar a obra finalizadora para este tempo.
Cristo Se serve do vento como de um símbolo do Espírito de Deus. Como o vento assopra onde quer, e não podemos dizer de onde ele vem ou para onde vai, assim é com o Espírito de Deus. Não sabemos por meio de quem Se manifestará.
Não falo, porém, minhas próprias palavras quando digo que o Espírito de Deus porá de lado aqueles que tiveram seu tempo de prova e oportunidade, mas que não distinguiram a voz de Deus ou não apreciaram as operações do Seu Espírito. Então milhares da hora undécima, verão e reconhecerão a verdade.
“Eis que vêm dias, diz o Senhor, em que o que lavra alcançará ao que sega, e o que pisa as uvas ao que lança a semente.” Amós 9:13.
Essas conversões à verdade operar-se-ão com uma rapidez surpreendente para a igreja, e unicamente o nome de Deus será glorificado. Carta 43, 1890.

Fanatismo a Aparecer em Nosso Meio
Aparecerá fanatismo em nosso próprio meio. Sobrevirão enganos, e de tal natureza, que se possível fora, desencaminhariam os próprios eleitos. Caso estivessem visíveis marcadas incoerências e declarações falsas nessas manifestações, as palavras dos lábios do grande Mestre não seriam necessárias. É por causa dos muitos e variados perigos que haviam de surgir, que é dada essa advertência.
A razão por que ergo o sinal de perigo é que, mediante a iluminação do Espírito de Deus posso ver aquilo que meus irmãos não discernem. Talvez não me seja positiva necessidade indicar todos esses aspectos particulares do engano contra os quais eles se precisam guardar. É-me suficiente dizer-vos: Estai alerta; e como sentinelas fiéis guardai o rebanho de Deus de aceitar indiscriminadamente tudo quanto professa ser-lhes comunicado da parte do Senhor. Se trabalharmos para criar excitação do sentimento, teremos tudo quanto queremos, e mais do que possivelmente podemos saber como manejar. Calma e claramente “prega a Palavra”. Importa não considerar nossa obra criar excitação.
Unicamente o Espírito de Deus pode criar um entusiasmo são. Deixai que Deus opere, e ande o instrumento humano silenciosamente diante dEle, vigiando, esperando, orando, olhando a Jesus a todo momento, conduzido e controlado pelo
precioso Espírito que é luz e vida. Carta 68, 1894.
O fim está próximo. Os filhos da luz devem trabalhar com diligente e perseverante zelo para induzir outros a se prepararem para o grande acontecimento por vir, para que eles possam resistir ao inimigo por haverem dado lugar à operação do Espírito Santo no coração. Coisas novas e estranhas hão de surgir continuamente para levar o povo de Deus a falsa agitação, reavivamentos religiosos e curiosas manifestações. Conservem-se eles avançando, com os olhos fixos unicamente na Luz e Vida do mundo. Sabei que tudo quanto é chamado luz e verdade na Palavra de Deus é vida e verdade, uma emanação da sabedoria divina, não uma imitação das artes sutis de Satanás. A luz da sabedoria de Deus será para toda alma fiel, firme, contrita, como lâmpada para seus pés. Carta 45, 1899.

Não Seja o Juízo Dominado Pelo Sentimento
Há muito erro misturado com coisa verdadeira, e pessoas de temperamento agitado agem baseadas nisso. Assim o fanatismo tomará o lugar dos esforços bem regulados, bem disciplinados, ordenados pelo Céu para levar avante a obra a sua conclusão. …
Há risco de que não só mentes impulsivas sejam levadas ao fanatismo, mas de que pessoas astutas se aproveitem dessa disposição para promover seus próprios desígnios egoístas. …
Tenho uma advertência a dar a nossos irmãos, para que sigam seu Líder e não corram adiante de Cristo. Não haja obra de acaso nestes tempos. Acautelai-vos de fazer vigorosas declarações que levem mentes menos equilibradas a pensar que têm maravilhosa iluminação de Deus. Aquele que leva mensagem ao povo da parte de Deus precisa exercer perfeito domínio. Deve ter sempre em mente que a senda da presunção se acha bem ao lado do trilho da fé. …
Permita-se uma vez ao impulso e à emoção assumirem o domínio sobre o juízo calmo, e talvez haja em conjunto demasiada rapidez, mesmo em palmilhar um caminho reto. O que viaja rápido demais verificará ser isso perigoso em mais de um sentido. Talvez não tarde a enveredar por um atalho que o afastará do caminho reto para vereda errada.
Nem uma vez se deve permitir que o sentimento assuma o domínio do juízo. Há risco de excesso naquilo que é legal, e o que o não é conduzirá certamente a veredas falsas. Caso não haja obra cuidadosa, diligente, sensata, sólida como a rocha, no desenvolvimento de toda idéia e princípio, e em toda apresentação feita, almas serão arruinadas. Carta 6a, 1894.

Obediência ou Emoção e Entusiasmo
Há perigo de aqueles que se acham em nossas fileiras cometerem um erro quanto ao recebimento do Espírito Santo. Muitos julgam ser uma emoção ou um êxtase dos sentimentos um sinal da presença do Espírito Santo. Há perigo de que sentimentos justos não sejam compreendidos, e que as palavras de Cristo: “Ensinando-as a guardar todas as coisas que Eu vos tenho mandado” (Mat. 28:20), percam sua significação. Há risco de que expedientes originais e imaginações supersticiosas tomem o lugar das Escrituras. Dizei a nosso povo: “Não sejais ansiosos de introduzir alguma coisa não revelada na Palavra. Conservai-vos achegados a Cristo.” …
Lembremo-nos de que a Palavra que Cristo ordenou que pregássemos a todas as nações, tribos, línguas e povos é confirmada pelo Espírito Santo. Este é o plano divino de trabalho. Cristo é o forte poder que confirma a Palavra, levando homens e mulheres, mediante conversão à verdade, a uma fé compreensiva, tornando-os voluntários para fazer tudo quanto Ele lhes tem ordenado. O instrumento humano, o instrumento visível, deve pregar a Palavra, e o Senhor Jesus, o invisível agente, por meio de Seu Espírito Santo, deve tornar a Palavra eficaz e poderosa. Carta 105, 1900.
Um Chamado a Sermões à Antiga
Nova ordem de coisas entrou no ministério. Há desejo de moldar-se segundo outras igrejas, e simplicidade e humildade são quase desconhecidas. Os ministros jovens procuram ser originais, e introduzir idéias e planos novos para o trabalho. Alguns iniciam reuniões de reavivamento, trazendo assim muitos conversos para a igreja. Passada, porém, a emoção, onde estão os convertidos? Não se vêem arrependimento e confissões de pecados. O pecador é instado a crer em Cristo e aceitá-Lo, sem consideração quanto a sua vida passada de pecado e rebelião. O coração não é quebrantado. Não há contrição de alma. Os supostos conversos não caíram sobre a Rocha, Cristo Jesus.
O Antigo e o Novo Testamentos mostram-nos o único meio por que esta obra deve ser feita. Arrependei-vos, arrependei-vos, arrependei-vos, era a mensagem que João Batista fazia soar no deserto. A mensagem de Cristo ao povo, era: “Se vos não arrependerdes, todos de igual modo perecereis.” Luc. 13:5. E aos apóstolos foi ordenado pregar em toda parte que os homens se arrependessem.
O Senhor deseja que Seus servos hoje preguem a antiga doutrina evangélica – tristeza pelo pecado, arrependimento e confissão. Precisamos sermões à moda antiga, costumes à antiga, pais e mães em Israel à antiga. É preciso trabalhar pelo pecador perseverantemente, zelosa e sabiamente, até que ele veja que é transgressor da lei de Deus, e exerça arrependimento para com Deus, e fé no Senhor Jesus Cristo. Manuscrito 111.

Frio Formalismo ou Fanatismo?
Formalidade, sabedoria mundana, certa esperteza e métodos mundanos, parecerão a muitos o próprio poder de Deus, mas quando aceitos, ficam como obstáculo impedindo a luz de Deus em advertências, reprovação e conselho de atingir o mundo.
Ele [Satanás] está trabalhando com todo o seu poder insinuante, enganador, para desviar os homens da mensagem do terceiro anjo, que deve ser proclamada com forte poder. Se Satanás vê que Deus está abençoando Seu povo e preparando-os para discernir-lhe os enganos, trabalha com sua magistral capacidade para introduzir fanatismo de um lado e frio formalismo de outro, para que ele possa ceifar uma colheita de almas. Agora é nosso tempo de vigiar incessantemente. Vigiai, barrai o caminho ao mínimo passo de avanço que Satanás possa fazer entre vós.
Há perigo contra o qual estar acautelados à direita e à esquerda. Haverá pessoas inexperientes, recém-conversas, que necessitam ser fortalecidas, e terem diante de si um exemplo correto. Alguns não farão o uso devido da doutrina da justificação pela fé. Apresentá-la-ão de maneira unilateral.
Outros lançarão mão de idéias que não foram devidamente apresentadas, e passam completamente sobre o limite, passando de todo por alto as obras.
Ora, a fé genuína sempre opera por amor. Quando olhais ao Calvário não é para aquietar vossa alma na falta de cumprimento do dever, nem para vos acalmar para dormir, mas para criar fé em Jesus, fé que opere, purificando a alma do lodo do egoísmo. Quando lançamos mão de Cristo pela fé, nossa obra apenas começou. Todo homem tem hábitos corruptos e pecaminosos que precisam ser vencidos por combate vigoroso. Requer-se de toda alma que combata o combate da fé. Se alguém é seguidor de Cristo, não pode ser astuto no negócio, não pode ser duro de coração, falto de compaixão. Não pode ser vulgar na linguagem. Não pode ser cheio de arrogância e presunção. Não pode ser despótico, nem usar palavras ásperas, e censurar e condenar.
O trabalho de amor brota da operação da fé. A religião bíblica significa constante trabalho. “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos Céus.” Mat. 5:16. Operai vossa salvação com temor e tremor, pois é Deus que opera em vós tanto o querer como o efetuar segundo a Sua boa vontade. Devemos ser zelosos de boas obras, cuidadosos de manter boas obras. E a Testemunha fiel diz: “Eu sei as tuas obras.” Apoc. 2:2.
Se bem que seja verdade que nossas atarefadas atividades não nos asseguram, em si mesmas, a salvação, também é verdade que a fé que nos liga a Cristo estimulará a alma à atividade. Os que não têm tempo para dar atenção a sua própria alma, a se examinarem diariamente, se estão no amor de Deus, e
colocarem-se no conduto da luz, terão tempo para dar às sugestões de Satanás e à execução de seus planos.
Satanás insinuar-se-á mediante pequenas cunhas, que se ampliam à medida que abrem caminho. As perigosas armadilhas dele serão introduzidas na obra especial de Deus nestes dias. Manuscrito 16, 1890.
Falsas Idéias das Bênçãos de Deus
Muitos andam interrogativos e perturbados. Isto é porque não têm fé em Deus. Para alguns, os cultos não significam mais que um tempo agradável. Quando seus sentimentos são despertados, pensam que estão grandemente abençoados. Alguns não acham que são abençoados a menos que sejam agitados e exaltados. A intoxicação do excitamento é o objetivo que buscam; e, se o não obtêm, julgam tudo estar errado com eles, ou que algum outro o está.
O povo não deve ser educado a pensar que a religião emocional, tocando as raias do fanatismo, é a única religião pura. Sob a influência de tal religião, espera-se que o ministro empregue toda a sua energia nervosa no pregar o evangelho. Precisa derramar com abundância a poderosa corrente d’água da vida. Precisa trazer goles estimulantes que sejam aceitáveis ao apetite humano. Alguns há que, a não ser que suas emoções enfraquecidas sejam estimuladas, pensam que podem estar descuidosos e desatentos. Carta 89, 1902.

Tudo é Quieto, Calmo, Despretensioso
O inimigo prepara-se para enganar o mundo inteiro por meio de seu poder de operar milagres. Ele pretenderá personificar os anjos de luz, personificar Jesus Cristo. Todo aquele que ensina a verdade para este tempo deve pregar a Palavra. Os que se apegam à Palavra não abrirão as portas para Satanás fazendo imprudentes declarações com referência a profetizar ou a sonhos e visões. Em maior ou menor grau se têm introduzido aqui e ali manifestações falsas, desde 1844, depois do tempo em que aguardávamos a segunda vinda de Cristo. …
Tê-las-emos mais e mais, e como sentinelas fiéis precisamos estar em guarda. Chegam-me cartas de muitas pessoas acerca de visões que têm tido, e acham seu dever relatar. Oxalá o Senhor ajude Seus servos a serem cautelosos.
Quando o Senhor tem um genuíno veículo de luz, há sempre abundância de outros falsos. Satanás entrará certamente por qualquer porta que lhe seja aberta. Dará mensagens de verdade misturando com ela idéias dele próprio, preparadas para desencaminhar almas, atrair a mente a seres humanos e ao que dizem, impelindo-a de apegar-se firme a um “Assim diz o Senhor”. Nos tratos de Deus com Seu povo, tudo é quieto; com aqueles que nEle confiam, tudo é calmo, despretensioso. Haverá simples, verdadeiros, sinceros crentes na Bíblia, e haverá praticantes da Palavra, bem como ouvintes. Haverá sadio, sincero e sensato esperar em Deus. Carta 102, 1894.

O Exemplo de Cristo
Não tema ninguém ir a extremos enquanto é um atento estudioso da Palavra, humilhando a alma a cada passo. Cristo nele deve habitar pela fé. Ele, seu Exemplo, era sereno. Andava em humildade. Possuía verdadeira dignidade. Tinha paciência. Caso nós, individualmente, possuamos esses traços de caráter, que aceitam a justificação pela fé, não haverá extremistas. …
O exemplo de Cristo se acha diante de nós – guardar sempre a lei e o evangelho intimamente ligados. Eles não podem ser separados. Sejam cultivados a calma e o domínio de si mesmo e perseverantemente conservados, pois esse era o caráter de Cristo. Ouvimos as veementes expressões de falsos pregadores, que manifestam ousadas pretensões, que falam alto e longamente, dizendo: “Sou santo, sou puro”, quando não possuem a mínima base para sua fé. Não ouvimos ruidosos protestos de fé, nem vemos tremendas contorções e exercícios do corpo no Autor de toda verdade.
Lembrai-vos de que nEle habita corporalmente toda a plenitude da Divindade. Se Cristo habita em nosso coração pela fé, contemplando Sua maneira de viver procuraremos ser como Jesus, puros, pacíficos e incontaminados. Revelaremos a
Cristo em nosso caráter. Não só receberemos e absorveremos luz, mas difundi-la-emos também. Teremos mais clara e distinta visão do que Jesus é para nós. A simetria, amabilidade e benevolência que se encontravam na vida de Jesus Cristo transparecerão em nossa vida. Manuscrito 24, 1890.

Desejo de Mudar a Ordem Presente
Em vez de viver na expectação de algum período especial de despertamento, devemos sabiamente aproveitar a oportunidade presente, fazendo aquilo que deve ser feito a fim de que as almas sejam salvas. Em lugar de consumir as faculdades de nossa mente em especulações quanto aos tempos e as estações que o Senhor estabeleceu pelo Seu próprio poder e ocultou aos homens, devemos submeter-nos ao controle do Espírito Santo para cumprir os deveres presentes, dar o pão da vida, não adulterado com opiniões humanas, a almas a perecer por falta da verdade. …
Encontramo-nos em constante perigo de colocar-nos acima da simplicidade do evangelho. Há intenso desejo da parte de muitos, de causar sensação ao mundo com alguma coisa original, que exalte o povo a um estado de êxtase espiritual, e mude a presente ordem de conhecimento pessoal. Há, certamente, grande necessidade de uma mudança na presente ordem de experiência; pois a santidade da verdade presente não é apreciada como devia ser, mas a mudança de que necessitamos é uma mudança de coração, e só pode ser obtida buscando individualmente a Deus em procura de Sua bênção, pleiteando com Ele por Seu poder, orando fervorosamente para que Sua graça venha sobre nós, e para que nosso caráter seja transformado. Esta é a mudança de que necessitamos hoje, e para cuja realização devemos exercer perseverante energia e manifestar sincera resolução. Review and Herald, 22 de março de 1892.
Nenhuma Singularidade ou Excentricidade
Não haja singularidades nem excentricidades de movimento da parte daqueles que falam a Palavra da verdade, pois tais coisas enfraquecerão a impressão que deve ser produzida pela Palavra. Cumpre guardarmo-nos, pois Satanás está
determinado, se possível, a entremear com os cultos sua má influência. Não haja exibição teatral, pois isto não ajuda a fortalecer na Palavra de Deus. Antes distrairá a atenção para o instrumento humano. Carta 352, 1908.

A Palavra de Deus não Deve Ser Contaminada por Enganos
Entre os clamores que causam perplexidade: “Eis que Cristo está aqui! Eis que Cristo está ali!” será apresentado um testemunho especial, uma especial mensagem de verdade apropriada para este tempo, a qual deve ser recebida, crida e posta em prática. É a verdade, não idéias fantasiosas, que tem eficácia. A verdade eterna da Palavra sobressairá livre de toda forma de erros sedutores e interpretações espiritualistas, livre de todos os quadros atrativos, fascinantes. À atenção do povo de Deus serão insistentemente apresentadas falsidades, mas a verdade deve permanecer revestida de seus belos e puros vestidos. A Palavra, preciosa em sua influência santa e própria para elevar, não deve ser degradada ao nível dos assuntos comuns, ordinários. Deve permanecer sempre incontaminada pelos enganos com que Satanás procura enganar, se possível, os próprios eleitos. Review and Herald, 13 de outubro de 1904.
Proceda o povo de Deus de tal maneira que o mundo veja que os adventistas do sétimo dia são um povo inteligente, pensante, cuja fé se acha baseada em fundamento firme e não em confusão. O povo tem fome do pão da vida. Não lhe ofereçais uma pedra. Manuscrito 101, 1901.

Fonte: Texto estraido na íntegra do livro: Mensagens Escolhidas, Vol.2, p.13 a 24.

Este texto fala do fanatismo que arrastará milhões! Pessoas sedentas de milagres e não de Cristo, serão arrastadas por estes enganos! Não precisamos estar ansiosos por manifestações extraordinária do poder de Deus como prova da sua aceitação e direção, pois a palavra de Deus nos adverte que há muitos que farão todas estas coisas, (expulsarão demônios, realizarão milagres e curas, falarão línguas, etc) todavia não estarão áptos para o céu, pois não se preucuparam em deixar de lado o pecado-iniquidade.(a transgressão da lei de Deus).(MATEUS 7:22,23; 1 João 3:4).

Alguns tem se levantado dentro da igreja e se preucupado em manter a igreja cheia, porém sem qualidade, sendo que a palavra de Deus aponta que Deus está buscando adoradores que O adorem em espírito e em verdade!

Deus não espera que façamos alianças e páctos com o mundo para que mais pessoas aceitem fazer parte do Seu povo! Ele espera que preguemos a verdade com muito amor, mas, a verdade! Ele espera de nós uma adoração comprometida com a verdade!

Apocalipse 14:7  dizendo, em grande voz: Temei a Deus e dai-lhe glória, pois é chegada a hora do seu juízo; e adorai aquele que fez o céu, e a terra, e o mar, e as fontes das águas.

Ao buscarmos ao Senhor em adoração, precisamos focar nEle e  não em nós mesmos! Ele é o adorado e não Eu. O Eu deve morrer! E Cristo viver em mim! Gálatas 2:20 .

As confusões que presenciamos nas meretrizes do Apocalipse 17, não deve ser invejado por nós! Temos a verdade! A verdade básica para os nossos dias é que a lei de Deus foi modificada pela Grande Meretriz e as suas filhas a seguem! Deus virá executar juízo sobre a Terra e deseja salvar cada morador deste planeta! Ele demonstrou seu amor por nós morrendo em uma cruz e espera que provemos nosso amor para com Ele obedecendo os seus mandamentos. (João 14:15 ).

Estas verdades devem ser proclamadas com amor e fervor para todos com quem tivermos a oportunidade de falar! Não percamos tempo em “novidades” musicais ou outras novidades que só alegram os sentidos!


Publicado em Sem categoria

Quem Cumprirá a Profecia?


 

Texto do Pastor Élbio Menezes
Presidente da Associação Catarinense

Profecia de 1901, indica surgimento de influências estranhas na adoração no tempo do fim.

Quero hoje apresentar uma profecia que tem sido objeto de minha preocupação nos últimos tempos. Foi feita por Ellen White, em Janeiro de 1901, e entre outras coisas, faz referência ao modo de adorar de um movimento adventista fanático que apareceu em Indiana (EUA), chamado de “Carne Santa”. Seus participantes, achavam que na experiência do Getsêmani, Jesus obtivera uma “carne santa”, isto é, como a de Adão antes da queda.

Durante os cultos, buscavam demonstrações físicas, e desenvolviam um alto grau de excitação com o uso de diversos instrumentos musicais (órgãos, flautas, violinos, tamborís, buzinas, e mesmo um grande tambor baixo), em som alto e estridente. Oravam e cantavam até que alguém da congregação caísse do assento, prostrado inconsciente. Vários reuniam-se à sua volta, cantando e orando, e quando esta pessoa voltava a si, era dito que havia obtido a “carne santa”, não havendo mais a possibilidade de pecar, e nunca haveria de morrer. Dois pastores, Haskell e A.J. Breed, foram enviados à reunião campal deles em Munice, Indiana, que ocorreu entre os dias 13 a 23 de setembro de 1900, a fim de enfrentar o fanatismo.

Ellen G. White soube destes acontecimentos enquanto estava na Austrália, em janeiro de 1900, e, então, recebeu orientação de Deus quanto aos perigos destas práticas. Mas entre outras coisas que o Senhor lhe revelou sobre o assunto, o que mais me impressiona, é a comparação que Deus faz entre o que ocorria dentro do movimento e o que aconteceria no futuro entre o povo de Deus:

“…Demonstrar-se-á tudo quanto é estranho. Haverá gritos com tambores, músicas e dança. Os sentidos dos seres racionais ficarão tão confundidos que não se poderá confiar neles quanto as suas decisões retas. E isto será chamado operação do Espirito Santo”… Mensagens Escolhidas, Vol. 2, pg.36. (Grifo nosso). Um pouco antes, na mesma profecia, Ellen G. White aponta para o tempo em que estas manifestações voltariam a aparecer, afirmando: “o Senhor revelou-me que haviam de ter lugar imediatamente antes da terminação da graça“. (Grifo nosso).

Note bem que nesta profecia, que foi escrita quando Ellen estava na Austrália, no ano de 1901 (mais precisamente no dia 17 de abril), Deus lhe revelou que estas coisas aconteceriam “imediatamente antes da terminação graça”. À semelhança do que já ocorrera em Indiana, surgiria algo estranho, envolvendo “gritos com tambores, música e dança”. Portanto, temos aí mais um sinal da proximidade da volta de Jesus, e precisamos estar atentos.

Mas qual é a preocupação de Deus com o seu povo?

Em toda a história da humanidade e do povo de Deus, vemos a adoração como estando no centro do conflito entre o bem e o mal. A adoração sempre foi o campo mais cobiçado de Satanás. A questão é: a quem adorar, e comoadorar.

Após a queda, junto ao Éden, foi travado o primeiro combate sobre a maneira correta de adorar. Caim com os seus frutos, e Abel com o seu cordeiro. Caim, adorando como a sua mente carnal, orientava; Abel adorando como Deus havia ensinado (Gen. 4:3-8). Ao longo da história do povo de Israel a tentação foi constante, para afastarem-se da forma correta e do verdadeiro objeto de adoração (Deus). Chegaram ao ponto de entregar seus filhos ao deus Moloque como ato de adoração ( Jer. 32:35 e II Re 23:10). Satanás, quando se apresentou a Cristo no deserto, pretendia até entregar o mundo e seus habitantes de volta ao seu Dono, mas sempre à sua maneira, do seu jeito. “Tudo te darei se prostrado me adorares”. ( Mt 4:9).

Meu querido companheiro cristão, uma das últimas batalhas que o povo de Deus terá que enfrentar, é a de decidir a quem adorar e como adorar. A adoração será o ponto de conflito entre o bem e o mal, e todos os cristãos, sinceros e falsos, estarão envolvidos neste conflito. Mas precisamos estar atentos, pois o inimigo nunca vem até nós de forma clara, aberta, e já declarando suas intenções. Sempre virá de forma velada, escondida, sem revelar a sua real intenção.

Querendo proteger a Igreja, Deus deixou uma profecia alertando sobre os problemas que enfrentaria bem perto da volta de Jesus. A profecia diz que nos cultos apareceriam “gritos com tambores, música e dança”.

Satanás conhece o valor da música, e é por isso que faz tanto esforço para introduzir no culto estes elementos que, ao contrário de adorar ao Deus do céu, adoram a ele, o deus das trevas. Existem hoje músicas que nada mais são do que gritos estridentes, que ferem a muitos que as ouvem. Boa parte das músicas de agora não tem “tambores”, mas tem a bateria, que leva alguns ao delírio e outros às lágrimas de tristeza; não tem “tambores”, mas tem uma infinidade de instrumentos que são devidamente arranjados pelo inimigo dentro de alguns play-backs (nem todos).

Quando se termina a apresentação de algumas músicas com estas características, muitos não conseguem lembrar de uma frase sequer do texto, pois a ‘gritaria’, o barulho dos instrumentos, e a excitação dos sentimentos acabaram por ocultar a mensagem. O que presenciamos hoje em alguns corais e conjuntos, em minha opinião, é o cumprimento exato desta profecia. Assisti a uma apresentação, por exemplo, onde maestro e coralistas dançavam em pleno “culto”.

Minha querida Igreja, a profecia vai ser cumprida, mas ai de quem a cumprir. Jesus disse que os escândalos viriam, mas “ai” daqueles por quem vierem (Lu 17:1). Esta forma errada de adoração seria introduzida nos cultos, mas ai daqueles que a introduzissem. Este “ai”, foi pronunciado pelo dono da Igreja, Jesus Cristo.

O que me choca é que muitos hoje, não estão querendo enxergar o que de fato estão vendo, e outros, simplesmente não estão percebendo nada, ou melhor, não vêem mal nenhum neste tipo de música. Alguns chegam a dizer que os tempos mudaram, e que os jovens precisam de algo mais alegre. É verdade os tempos mudaram, mas estas mudanças não são, infelizmente, produzidas por Deus (Rom. 12:2). Não estou combatendo a música e o uso devido dos instrumentos na adoração, estou alertando acerca de um problema que aparece cada vez mais em nosso meio. Sinto uma profunda tristeza ao ver que em muitas de nossas reuniões esta profecia já está se cumprindo.

Para alguns grupos musicais o importante é o ‘show’, o espetáculo, e não a adoração a Deus. Para outros, o êxito da apresentação é medido pela reação dos espectadores, sendo sinal de sucesso o balançar das mãos, palmas acompanhando o ritmo, e ao final da música, à semelhança de qualquer banda de rock, a explosão da multidão em gritos e assobios. Estas reações, e eu mesmo já as presenciei, são semelhantes às que se vê nas reportagens de grupos musicais seculares, com a diferença de que pretende-se estar prestando um culto a Deus.

Note o que ainda diz Ellen White sobre este assunto: “O Espirito Santo nada tem que ver com tal confusão de ruído e da multidão de sons como me foram apresentados em janeiro último [referindo-se à música do movimento da “Carne Santa”]. Satanás opera entre a algazarra e a confusão de tal música, a qual, devidamente dirigida, seria um louvor e glória para Deus. Ele torna seu efeito qual venenoso aguilhão da serpente”. Mensagens Escolhidas, Vol. 2, pág. 37.

Meu querido, é este o tipo de culto que vai levar alguém a aproximar-se de Deus? Ele mesmo já declarou que o Espírito Santo não tem nada a ver com tal confusão. É Satanás quem está ali, podendo usar até boas pessoas para que o verdadeiro culto não aconteça. Veja o terrível risco que se corre ao brincar com estas coisas: “Esses [em Indiana], foram arrastados por um engano espírita”, afirmou a Ellen G. White, referindo-se ao episódio. (Evangelismo, pág. 595).

Até quando ficaremos covardemente calados diante do que está acontecendo em nosso meio? Quem vai se levantar e, com amor, ensinar a estes bons irmãos sobre qual é a vontade da Deus acerca deste assunto? Até quando seremos alimentados com músicas que não nos aproximam de Deus, mas nos ferem?

Eu suplico ao meu Deus que abra os nossos olhos para que vejamos o perigo que está nos rondando e o engano que Satanás está tentando introduzir em nosso meio, de forma sutil, lenta e gradual, muitas vezes. A profecia diz que haveriam muitos gritos, música e dança, mas a pergunta que cada filho de Deus precisa fazer é: serei eu o cumpridor desta profecia? Note o alerta feito por Deus: “Essas coisas que aconteceram no passado hão de ocorrer no futuro. Satanás fará da música um laçopela maneira por que é dirigida”. Mensagens Escolhidas, Vol. 2, pág.38. (Grifo nosso). A profecia, feita a mais de cem anos, é mais um indício de que estamos vivendo no fim da história deste mundo. A profecia esta aí, mas quem a cumprirá?

Eu espero que nenhum de nós seja o cumpridor desta triste profecia, mas que as nossas músicas nos cultos, tenham um único objetivo, que é o de exaltar ao nosso Criador; que todos os que receberam de Deus o dom de cantar, usem-no somente para engrandecer ao Doador da voz e ao Criador da música; que Ele seja o único a ser louvado com as músicas apresentadas, e que os espectadores possam ao término da cada música, estar mais perto de Jesus; que a boa música prevaleça em todas as nossas reuniões campais, congressos e camporis. Onde Deus for adorado, que ali tenhamos sempre o melhor, para o Melhor: Deus.

Fonte: http://www.musicaeadoracao.com.br/

Publicado em Sem categoria

Outro Comentário Sobre a Publicação de André Reis!


 O Material abaixo trata-se de uma resposta do Pr. Dario Pires Araújo ao artigo do Sr. André Reis que o mesmo publicou na internet já faz algum tempo. Artigo que na minha opinião faz apologia ao uso da bateria na igreja e onde ele busca mostar por A+B que Ellen White era à favor dos tambores de sua época e que também seria à favor da bateria nos dias de hoje.

No Brasil, até os músicos leigos sabem fazer a distinção entre som musical e ruído, e nem precisam ser muito inteligentes para perceberem que os tímpanos são afinados para reforçar e encorpar os sons musicais básicos da harmonia na
música erudita que as orquestras sinfônicas executam, e que nada têm em comum com o ruído das baterias.
No Brasil, se a pessoa já entende um pouco mais de música, em sua cabeça racional já não mais confunde a música em sua expressão equilibrada de melodia, harmonia, ritmo natural, forma, agógica, etc., com a monstruosidade de 90% de
ritmo artificial e ruídos, e 10% de pobreza melódica, harmônica, destituída de forma.
Nenhum brasileiro aceitaria ir para o Céu a fim de, em nome de “música”, ficar durante a eternidade ouvindo o “ruído” de trovões e “barulho” de mar ferindo as rochas, só porque o Apocalipse usa essa linguagem simbólica para descrever a grandiosidade da música celeste, que tão bem a irmã White descreveu após suas
visões. Só para ouvidos e neurônios queimados com baterias aqui, melhor escolher ficar ouvindo ruídos ensurdecedores no Céu. Aliás, apenas associar a expressão “música sacra” com “ruído de baterias” já representa uma heresia sem
tamanho.
Para sermos bem honestos, no Brasil também os títulos de mestrado e doutorado não são capazes, por si só, de pôr no lugar cabeças confusas. Isto é obra do Espírito Santo em favor dos que desejam.
Qualquer professor se sentiria lisonjeado em ter um ex-discípulo que, com um simples artigo, pretensamente exegético, conseguisse uma façanha que nenhum ser humano do planeta em seis mil anos de História Universal conseguiu:
convencer aos muitos bilhões de habitantes da Terra de que Deus resolveu fazer as pazes com Satanás, e que, por isso, o caminho largo e o caminho estreito agora vão dar no mesmo destino da bem-aventurança eterna, fazendo desta maneira jus ao Prêmio Nobel da Paz – 2009 ao infinito. O último teorema teológico de Fermat finalmente foi solucionado…
A exegese de um assunto que se concentra nos efeitos sem se interessar nas causas, certamente será tendenciosa. Assim, por exemplo, as testemunhas oculares, ao se expressarem, afirmaram que quase todos eram influenciados “por
causa da música que é executada na cerimônia”. “… Então começam a tocar os
instrumentos musicais até que não se consegue nem ouvir os próprios pensamentos, e sob o excitamento desses ruídos, eles levam grande parte da congregação para frente em todas as ocasiões.”
“Seu livro de músicas é ‘Garden of Spices’ e tocam músicas dançantes com letra sagrada.” S. N. Haskell “Eles gritavam e cantavam suas canções até que se tornavam realmente
histéricos.” (do relatório de Burton Wade a Artur L. White, 12 de janeiro de 1962) Vide “Música, Sua Influência na Vida do Cristão”, p. 36-38. CASA, 1ª. edição, 2005.
Desconheço qualquer congregação da IASD no mundo que mantenha a doutrina da “Carne Santa”, mas vejo quase todas sob as causas do excitamento que
provocava a histeria. Estou constantemente ouvindo “músicas dançantes”, ritmadas, badaladas, “com letra sagrada” exatamente “sob o excitamento desses ruídos” (baterias).
Eu jamais cairia na vesguice exegética para provar que é justificável e recomendável o uso de craque, porque nos escritos de Ellen G. White nunca apareceu esta palavra.
A doutrina peculiar dos Adventistas sobre o Santuário, em que “terminação da graça” tem um significado único (ou pela morte, ou pelo fim da intercessão de Cristo), não pode ser levianamente aplicada a um hipotético passado, o que excluiria da salvação todos os que nascemos ou vivemos depois, inclusive o brilhante articulista. Nem é necessário saber falar em russo para ter capacidade de saber que qualquer tentativa de diálogo seria mera perda de precioso tempo.
Dario Pires de Araújo.

Fonte: http://www.blogger.com/profile/11153765577481579245.

http://www.igrejaadventista.com/2009/05/ellen-white-era-contra-bateria.html#comment-form

Publicado em Sem categoria